PREVENÇÃO

Seprev alerta para o impacto das drogas no ambiente de trabalho

Tema foi abordado em palestra, nesta sexta-feira (4), no Porto de Maceió

Everton Dimoni

sexta, 04 de novembro de 2022 às 16h05

175

Vitor Beltrão

Texto de Everton Dimoni

Fotos de Vitor Beltrão

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) estima que um a cada cinco acidentes de trabalho são provocados pelo consumo de drogas. Isso acontece porque algumas substâncias, como álcool, maconha e cocaína, alteram a concentração e a coordenação motora do profissional, além de causar uma série de prejuízos à saúde física, psicológica e emocional do usuário.

Diante disso, autoridades no assunto entendem que o modelo de ação para construir um ambiente de trabalho saudável passa pela prevenção do uso de drogas no meio laboral, o que envolve empregadores, profissionais, colaboradores e formuladores de políticas públicas.

O psicólogo especialista em dependência química da Secretaria de Estado de Prevenção à Violência (Seprev), Junior Amaranto, explica que problemas relacionados ao consumo de álcool e drogas podem ser ocasionados por fatores pessoais, familiares, sociais, por situações no ambiente de trabalho, ou ainda por uma combinação destes elementos.

“Todo ser humano passa por problemas, mas o brasileiro tem a cultura de buscar na bebida e/ou nas drogas uma fuga para as adversidades, o que muitas das vezes acaba afetando sua vida profissional. Mas quando se sabe qual é a dificuldade que aquela pessoa está passando, fica mais fácil ajudar”, alerta.

Tais problemas não se repercutem somente na saúde e no bem-estar do usuário, mas podem causar contratempos relacionados ao trabalho, como por exemplo, a perda de produtividade e até mesmo afastamento do profissional.

Dados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) mostram que, todos os meses, cerca de 3,5 mil pessoas são afastadas por problemas com álcool e drogas, e os auxílios-doença concedidos a pessoas com transtornos mentais e comportamentais decorrentes do uso de entorpecentes já passaram de 143,4 mil. O alcoolismo é o principal responsável pela solicitação do benefício, seguido por substâncias psicoativas como cocaína, maconha, haxixe e alucinógenos.

“Por isso é importante que empresas e organizações tenham em seu cronograma ações de informação e prevenção ao uso de drogas, que promovam dinâmicas, interações e trabalhem o emocional dos seus colaboradores com profissionais específicos, como psicólogos, pois isto ajuda bastante. Um profissional que está bem consigo mesmo será um profissional que vai contribuir muito mais com a empresa ou com a organização”, afirmou o psicólogo.

PALESTRA NO PORTO DE MACEIÓ

Nesta sexta-feira (4), Junior Amaranto ministrou uma palestra sobre os efeitos das drogas no ambiente de trabalho para dezenas de profissionais que atuam no Porto de Maceió. O evento foi promovido por uma das principais agenciadoras marítimas da capital.

Para o superintendente de operações portuárias, Dionilson Pinheiro, a dependência química é uma realidade bastante presente e as empresas precisam estar atentas ao tema. “Trabalhamos com uma equipe grande de estivadores e buscamos sinalizar e valorizar a importância que cada um tem na sociedade. Colateralmente, eles irão levar essas informações para seus filhos, para a família, amigos e vizinhos, propagando essas informações e conscientizando ainda mais pessoas”, comentou.

Quem acompanhou a palestra foi o operador de máquinas Adriano dos Santos. Ele passou 14 anos vivendo sob dependência de álcool e fala sobre a importância de se conversar sobre o tema com os colegas de trabalho.

“Muito importante aprender sobre a gravidade do uso de drogas no ambiente de trabalho, pois esse é um mal que ataca seu desempenho e compromete sua responsabilidade. Uma palestra como esta vem abrir os olhos dos nossos companheiros para esse perigo, digo isto como um dependente químico em recuperação que sabe como é bom viver sem drogas”, comentou.

Todos os esforços devem ser direcionados para prevenir o uso abusivo de álcool e outras drogas. Mesmo assim, caso exista a necessidade de tratamento, os interessados podem buscar ajuda em uma das comunidades acolhedoras credenciadas ao Governo de Alagoas. O atendimento pode ser feito em um dos três Centros de Acolhimento, que ficam em Maceió, Arapiraca e Santana do Ipanema, ou agendando uma visita das equipes técnicas pelo número 0800.280.9390.

Imagens do Álbum


Últimas Notícias