REDE ACOLHE

Número de dependentes químicos em busca de tratamento cresce 10,5% no primeiro semestre de 2022

Seprev atrela aumento ao fortalecimento das Políticas sobre Drogas em Alagoas

Everton Dimoni

quinta, 23 de junho de 2022 às 16h10

721

Victor Lopes

Texto de Everton Dimoni

Fotos de Vitor Lopes

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera a dependência em drogas - lícitas e ilícitas - uma doença que merece tratamento. O uso indevido de substâncias como álcool, cigarro, maconha, cocaína e crack é um problema de saúde pública de ordem internacional que tem preocupado nações ao redor do mundo por afetar severamente valores sociais, culturais, econômicos e políticos.

Diante disto, a Organização das Nações Unidas (ONU) estabeleceu o dia 26 de junho como Dia Internacional contra o Abuso e Tráfico Ilícito de Drogas com o objetivo de conscientizar a população de todo o planeta acerca dos riscos e consequências do uso de entorpecentes e estimular ações de combate à dependência química e ao tráfico de drogas. O marco é evidenciado no Brasil durante toda a Semana Nacional de Política sobre Drogas.

Dados atualizados da Secretaria de Estado de Prevenção à Violência (Seprev) mostram que a Rede Acolhe, programa para tratamento de dependentes químicos do Governo de Alagoas, registrou um aumento de 10,5% na procura por tratamento contra dependência química em 2022. De janeiro a junho deste ano, o programa contabilizou 2.343 encaminhamentos para comunidades terapêuticas, sendo 2.150 homens, 91 mulheres e 102 adolescentes de ambos os sexos.

No mesmo período, de janeiro a junho de 2021, os encaminhamentos somaram 2.123, sendo 1.940 homens, 54 mulheres e 129 adolescentes de ambos os sexos. Nos dois anos, a maioria dos casos teve relação com o uso de crack, cocaína, maconha, tabaco e álcool, além de substâncias menos conhecidas, como os solventes. Ao todo, o ano de 2021 fechou com 4.505 encaminhamentos.

A coordenadora do Centro de Acolhimento de Maceió, Julyana Gomes, explica que a dependência em uma ou mais substâncias é uma questão multifatorial e costuma estar associada a uma somatória de fatores, como fatores biológicos, comportamentais e sociais. Ela explica que cada substância provoca impactos em diferentes graus e alerta para os diversos efeitos colaterais decorrentes da dependência e do consumo indevido de álcool e outras drogas.

“Há uma série de consequências na vida do dependente químico que podem afetar completamente a sua rotina: faltar o trabalho, perder o interesse em atividades que antes lhe davam prazer, isolamento social - começando com o afastamento de familiares e amigos, o endividamento decorrente da aquisição de entorpecentes, o que muitas vezes leva a pessoa a se desfazer de bens como casa e carro, além das consequências físicas como lesão no fígado, destruição de neurônios, desenvolvimento de doenças psiquiatrias, entre outros”, relata a coordenadora.

Jeová Marcelino, de 41 anos, é um grande exemplo de quem superou esses riscos com a ajuda profissional da Rede Acolhe. Após seis meses de tratamento contra o abuso de álcool, ele participou do curso de frentista oferecido pela Seprev e conquistou um emprego permanente em um posto de gasolina de Maceió. Recentemente, ele ingressou no curso de salgadeiro do SENAC, também com a ajuda da Seprev, e vê na formação uma oportunidade de abrir seu próprio negócio.

“Para mim, que gosto de cozinhar, esta é uma ótima oportunidade. Meu pensamento agora é trabalhar muito, principalmente na cozinha, e já estou com um projeto para abrir um negócio de salgados fritos. Agradeço a Deus e ao Governo de Alagoas, que por meio da Seprev está nos ajudando a ter uma vida saudável e uma postura melhor na sociedade”, comenta o ex-acolhido.

BUSCA POR TRATAMENTO

É possível combater a dependência e abandonar o vício, mas para isso é necessário entender as questões individuais que levam ao consumo de drogas e oportunizar o tratamento adequado.

“Este índice de aumento no número de encaminhamentos de dependentes químicos para tratamento em uma das comunidades acolhedoras da Rede Acolhe representa o fortalecimento das Políticas sobre Drogas nos últimos anos em Alagoas, sobretudo no que se refere aos investimentos feitos pelo Governo do Estado e o conhecimento da população sobre os riscos do consumo de álcool e drogas”, enfatizou o titular da Seprev, Kelmann Vieira.

Para quem busca tratamento em uma das comunidades acolhedoras credenciadas ao Governo de Alagoas o atendimento pode ser feito em um dos três Centros de Acolhimento, que ficam em Maceió, Arapiraca e Santana do Ipanema, ou agendando uma visita das equipes técnicas pelo número 0800.280.9390.

Imagens do Álbum


Últimas Notícias