FORÇA FEMININA

Mulheres alagoanas superam a dependência química com a ajuda da Rede Acolhe

O programa para tratamento do Governo do Estado registrou 294 encaminhamentos em 2023

Everton Dimoni

sexta, 08 de março de 2024 às 13h40

105

Vitor Beltrão

Texto de Everton Dimoni

Fotos de Vitor Beltrão

Existem mulheres que carregam a força da resiliência e da superação. Mulheres que enfrentaram dificuldades, correram riscos, mas reuniram coragem para dar uma nova direção às suas vidas. Neste Dia Internacional da Mulher – 8 de março – a Secretaria de Estado de Prevenção à Violência (Seprev) destaca a história de mulheres vitoriosas que superaram a dependência química com a ajuda da Rede Acolhe.

Roseane Silva e Selma Barros são exemplos de superação. Cada uma a seu tempo percebeu que a vida poderia oferecer mais do que uma quantidade de droga ou uma dose de bebida. Cientes da luta que iriam travar, elas buscaram ajuda profissional e iniciaram o tratamento voluntário na comunidade acolhedora Casa Betânia, em Maceió.

“Minha história é sobre o crack, droga que conheci em 2007 e que foi a desgraça da minha vida por 15 anos”, conta Roseane. “Cheguei a me prostituir e roubar, abandonei os meus filhos por causa da droga e quase perdi a vida em uma armadilha que armaram pra mim. Precisei reunir muita força para procurar ajuda”, relata a ex-acolhida.

A dependência química também impactou a vida da Dona Selma, uma mulher de coração enorme, que abarca toda a família. Em um momento de fraqueza, Selma foi vítima do uso abusivo de álcool e sofreu com a vulnerabilidade até ingressar no tratamento e receber o apoio profissional das equipes técnicas.

“Sem ajuda, eu estaria dormindo na rua, arrasada com certeza. O que encontrei na comunidade acolhedora é amor, as pessoas têm carinho para dar e eu aprendi a amar as pessoas ao meu redor. Não quero mais beber, hoje sou uma nova pessoa”, afirmou Selma.

TRATAMENTO

Em 2023, a Rede Acolhe registrou 294 encaminhamentos de mulheres sob dependência química para comunidades terapêuticas credenciadas ao Governo de Alagoas. Atualmente, o programa para tratamento de dependentes químicos do Estado conta com 33 comunidades acolhedoras, que oferecem 750 vagas para tratamento gratuito, na capital e no interior. Homens, mulheres e até mesmo adolescentes a partir dos 12 anos podem iniciar o tratamento.

A superintendente de Políticas sobre Drogas da Seprev, Lideilma Alves, explica que, além da atenção voltada para a adicção em si, as comunidades terapêuticas trabalham a autoestima dessas mulheres, motivando-as a olhar para si mesmas e cultivar o amor-próprio, resgatando tudo o que foi perdido com o uso de substâncias químicas.

“A equipe formada por psicólogas, assistentes sociais e técnicas trabalha a reinserção social das acolhidas, bem como o amor próprio, o fortalecimento dos vínculos familiares e toda uma reestruturação da sua vida para que essa mulher não apenas abandone o vício, mas tenha todas as suas demandas sanadas, reduzindo dessa forma as chances de recaídas”, afirmou a superintendente.

Imagens do Álbum


Últimas Notícias