REFERÊNCIA NACIONAL

Governo de Alagoas garante método socioeducativo diferenciado para mulheres

Mudanças implantadas pela Seprev segue o que determina o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e assegura um novo jeito de cuidar das socioeducandas

Everton Dimoni

quinta, 09 de março de 2023 às 11h35

292

Vitor Beltrão

Texto de Everton Dimoni

Fotos de Vitor Beltrão

Nos últimos anos, o Sistema Socioeducativo de Alagoas passou por mudanças significativas em sua estrutura e nas metodologias utilizadas no atendimento de adolescentes e jovens adultos em conflito com a lei. Investimentos destinados à Secretaria de Estado de Prevenção à Violência (Seprev), por meio da Superintendência de Medidas Socioeducativas (Sumese), permitiram a criação de uma estrutura de qualidade e a atenção integral ao público socioeducativo, fortalecendo a prevenção à reincidência infracional.

Essas mudanças são percebidas claramente na Unidade de Internação Feminina (UIF), onde as adolescentes em medida de internação contam com um atendimento especializado e profissionais que enxergam este público não sob a ótica da infração, mas como seres humanos em construção, que precisam de acolhimento e de auxílio para superar os erros do passado, construir novas perspectivas para o futuro e serem reinseridos na sociedade com êxito.

A supervisora da UIF, Silvia Medeiros, explica que o cuidado com as adolescentes começa desde a sua chegada à unidade. Lá, elas são acolhidas de forma humanizada e recebem tratamento digno durante toda sua permanência na unidade. O atendimento contempla o direito à escolarização, qualificação profissional, atenção integral à saúde, ambiente decente - incluindo os alojamentos -, cuidados de higiene pessoal, entre outros fatores importantes.

“As conquistas foram inúmeras nos últimos anos. Contamos com uma estrutura de excelência e equipe técnica comprometida com um trabalho transformador junto às adolescentes. Um avanço que podemos destacar foi a implantação de uma equipe de saúde dentro da unidade, que tem proporcionado mais segurança, assistência e tranquilidade para todas”, diz.

Esse cuidado é visto também na estrutura da unidade, que segue as normas estabelecidas pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e pelo Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase). A unidade conta com 34 vagas, das quais apenas seis encontram-se ocupadas, salas de aula, sala de vídeo, biblioteca, quadra de vôlei de praia, paisagismos, entre outras características que trazem o toque feminino ao local.

“Oportunizar um atendimento socioeducativo de excelência tem sido prioridade para o Governo do Estado, na pessoa do governador Paulo Dantas, e do secretário de Prevenção à Violência, Kelmann Vieira. Prova disso foi a implantação de um alojamento materno, climatizado e equipado para receber com dignidade adolescentes que são mães e seus bebês por um período de até seis meses”, diz a supervisora.

Metodologias

Monysy Sarmento, psicóloga da UIF há nove anos, explica que o cumprimento da medida socioeducativa funciona igualmente para adolescentes de ambos os sexos, mas que a equipe técnica busca compreender cada indivíduo como alguém único, que precisa de cuidado e atenção particulares.

“Nosso trabalho na UIF compreende o resgate de valores da adolescente, o que acontece por meio da socialização, com base em regras, direitos e deveres. Buscamos resgatar os vínculos familiares e proporcionamos a ressignificação da vida, com um atendimento humanizado e considerando as individualidades de cada uma delas”, diz.

A psicóloga ressalta ainda que, além do ensino regular, desenvolvido em parceria com a Escola Estadual Paulo Jorge dos Santos, a equipe da Sumese desenvolve um trabalho pedagógico comprometido com o desenvolvimento humano, muitas vezes proporcionando às adolescentes o primeiro contato com a cultura, a arte, o esporte e o lazer.

“Por meio de projetos, trabalhamos na Unidade Feminina o empoderamento, a autoestima, a autoconfiança, o amor próprio e projetos de vida, fazendo-se cumprir uma medida socioeducativa eficaz na socialização dessas adolescentes”, disse.

Dentre as atividades, vale ressaltar o projeto “Arte, amor e sabor”, que compreende aulas de culinária e artesanato, onde são trabalhados a criatividade, a autoconfiança, o trabalho em equipe e o empreendedorismo, viabilizando um primeiro direcionamento para empregabilidade e geração de renda.

Imagens do Álbum


Últimas Notícias