Especialista aponta a prevenção como principal ferramenta contra a violência

Escritor João Roberto Araújo concorda com ações do Governo de Alagoas prol da redução dos índices da criminalidade

terça, 24 de novembro de 2015 às 00h00

105

“Não podemos negligenciar a prevenção”. Essa foi a declaração do psicólogo e escritor João Roberto Araújo ao proferir a palestra Aspectos Gerais sobre o fenômeno da violência, que fez parte do I Seminário Alagoas nos Rumos da Prevenção, realizado pelo Governo de Alagoas, por meio da Secretaria de Estado de Prevenção à Violência, nesta quarta-feira (18), no hotel Radisson, em Maceió. O especialista traçou um panorama conceitual sobre a temática e apontou a prevenção como um dos principais caminhos para a diminuição da violência que tanto assombra a sociedade.

Para ele, é preciso pensar a partir da complexidade, transitar do linear para o inclusivo. “É difícil fazer essa transição. Equívocos nos levam à dor e ao sofrimento, porque entre eles há uma ênfase na negligência das ações de prevenção. É necessário reformar o pensamento”, salientou.

“Normalmente, nos encontramos atraídos pelas ações curativas, pois elas são visíveis de modo rápido. Não é comum, culturalmente, preocupar-se com a prevenção, porque queremos respostas a curto prazo. Isso é natural quando se fala em coletividade. Essas crises pontuais não são isoladas, nascem na própria cultura”, explicou

O especialista destacou a importância de mudar os referenciais quando o assunto for a busca de soluções inteligentes para políticas públicas de combate à violência. “Precisamos passar por um processo de revisão de valores para que a cultura de um novo pensamento possa soprar o vento a favor do bem-estar social. Temos que desenvolver no outro a compreensão do todo como um conjunto. Nesse contexto, a falta dessa prática desencadeia a violência, a grosseria humana”, emendou.

O psicólogo apontou as emoções humanas como um fator determinante para o transbordamento do comportamento violento. “Não podemos negligenciar nossas emoções. Somos seres de paixão, não só de razão. Muitas vezes não aprendemos a lidar com as emoções, tornando-nos analfabetos emocionais. É necessário buscar o equilíbrio entre a racionalidade e o emocional.

Para o escritor, é primordial incorporar o respeito a história de vida da pessoa para a implementação de uma política de prevenção. “Nesse aspecto, o olhar amplo de acolher as pessoas, como vem fazendo a secretaria de Estado de Prevenção à Violência de Alagoas, vai além do eixo da repressão e passa a criar um novo olhar e uma nova política social de prevenção e inclusão”, finalizou.


Últimas Notícias