REDE ACOLHE

Em Alagoas, acolhimentos a dependentes químicos cresce mais de 30% em 2021

O aumento é fruto de investimentos da Seprev e da reestruturação dos Centros de Acolhimento

Victor Brasil e Everton Dimoni

quarta, 12 de janeiro de 2022 às 12h45

365

Vítor Beltrão

Reconstruir uma vida com mais saúde, dignidade e livre das drogas tem sido uma realidade cada vez mais presente na vida de muitos alagoanos. A Rede Acolhe, programa de tratamento de dependentes químicos do Governo de Estado, ampliou em mais de 30% o número de atendimentos em 2021, contribuindo para que mais pessoas tenham oportunidade de ressignificar suas jornadas e retomar o convívio social de cabeça erguida.

Dados atualizados da Rede mostram que foram realizados 4.505 encaminhamentos de janeiro a dezembro de 2021. Deste total, 86% dos casos tiveram relação com bebidas alcoólicas, 65% com tabaco, 54% maconha, 42% crack, 35% cocaína e 13% com substâncias menos conhecidas, como solventes e oxi. Em 2020, foram acolhidas 3.167 pessoas vítimas das drogas.

Coordenada pela Secretaria de Estado de Prevenção à Violência (Seprev), a Rede Acolhe conta com 33 comunidades terapêuticas, que ofertam 750 vagas, na capital e no interior do estado, onde cada caso é avaliado individualmente. As vagas contemplam homens, mulheres e adolescentes a partir dos 12 anos de idade que tenham o desejo de superar esta situação.

Exemplo

A ex acolhida Niedja Lúcia da Silva, de 49 anos, uma das beneficiadas pela Rede Acolhe, conta que abandonar o consumo abusivo do álcool devolveu sua dignidade e trouxe de volta a confiança para retomar a vida profissional. Ela está limpa há 2 anos e 9 meses e retornou ao mercado de trabalho de cabeça erguida para exercer o seu talento de cozinheira.

“Tudo começou como brincadeira, por volta dos 15 ou 16 anos, e no final das contas precisei vender a minha casa, fruto do meu trabalho, para ter dinheiro para beber. Por causa do vício, perdi um emprego de 11 anos, mas hoje, depois de tratada, meus patrões me aceitaram de volta para trabalhar e estou muito feliz pelo voto de confiança”, comenta.

Ela diz ainda que o processo de superação trouxe experiências que fazem parte da sua rotina até hoje. Plenamente recuperada, ela ajuda outras mulheres que passaram por situações semelhantes a vencer a dependência, e vê na atividade um propósito de vida.

“Me engajei no serviço social da comunidade terapêutica onde fui atendida e lá compartilho minha história e mostro como a vida é boa sem o vício e as drogas. O que eu vivo hoje é maravilhoso e sou grata a Deus pela oportunidade de dividir com elas as coisas boas que redescobri na minha vida”, disse.

Acolhimento

A ajuda profissional pode ser um fator decisivo para quem deseja vencer a dependência química. Se você busca atendimento em uma das comunidades acolhedoras credenciadas ao Governo de Alagoas, o atendimento pode ser feito em um dos três Centros de Acolhimento, em Maceió, Arapiraca e Santana do Ipanema, ou agendando uma visita das equipes técnicas pelo número 0800.280.9390.


Últimas Notícias